terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Final de Año

Ni el pormenor simbólico

de reemplazar un tres por un dos

ni esa metáfora baldía

que convoca un lapso que muere y otro que surge

ni el cumplimiento de un proceso astronómico

aturden y socavan

la altiplanicie de esta noche

y nos obligan a esperar

las doce irreparables campanadas.

La causa verdadera

es la sospecha general y borrosa

del enigma del Tiempo;

es el asombro ante el milagro

de que a despecho de infinitos azares,

de que a despecho de que somos

las gotas del río de Heráclito,

perdure algo en nosotros:

inmóvil.

Jorge Luis Borges

Plano B: mais um ano de muita amizade e boa música.

Edson Izidro, José Augusto, Henry Yamamoto, Maurício Colella, Ulisses Barbieri

Achei :-)

Depois de muitos anos atrás desse tema, consegui achar! Ele tocava no trailler do filme “Prenda-me se for capaz”!
Bobby Darin – “Don`t rain on my Parade”

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Medo da Eternidade

Jamais esquecerei o meu aflitivo e dramático contato com a eternidade.
Quando eu era muito pequena ainda não tinha provado chicles e mesmo em Recife falava-se pouco deles. Eu nem sabia bem de que espécie de bala ou bombom se tratava. Mesmo o dinheiro que eu tinha não dava para comprar: com o mesmo dinheiro eu lucraria não sei quantas balas.
Afinal minha irmã juntou dinheiro, comprou e ao sairmos de casa para a escola me explicou:
- Como não acaba? - Parei um instante na rua, perplexa.
- Não acaba nunca, e pronto.
- Eu estava boba: parecia-me ter sido transportada para o reino de histórias de príncipes e fadas. Peguei a pequena pastilha cor-de-rosa que representava o elixir do longo prazer. Examinei-a, quase não podia acreditar no milagre. Eu que, como outras crianças, às vezes tirava da boca uma bala ainda inteira, para chupar depois, só para fazê-la durar mais. E eis-me com aquela coisa cor-de-rosa, de aparência tão inocente, tornando possível o mundo impossível do qual já começara a me dar conta.
- Com delicadeza, terminei afinal pondo o chicle na boca.
- E agora que é que eu faço? - Perguntei para não errar no ritual que certamente deveira haver.
- Agora chupe o chicle para ir gostando do docinho dele, e só depois que passar o gosto você começa a mastigar. E aí mastiga a vida inteira. A menos que você perca, eu já perdi vários.
- Perder a eternidade? Nunca.
O adocicado do chicle era bonzinho, não podia dizer que era ótimo. E, ainda perplexa, encaminhávamo-nos para a escola.
- Acabou-se o docinho. E agora?
- Agora mastigue para sempre.
Assustei-me, não saberia dizer por quê. Comecei a mastigar e em breve tinha na boca aquele puxa-puxa cinzento de borracha que não tinha gosto de nada. Mastigava, mastigava. Mas me sentia contrafeita. Na verdade eu não estava gostando do gosto. E a vantagem de ser bala eterna me enchia de uma espécie de medo, como se tem diante da idéia de eternidade ou de infinito.
Eu não quis confessar que não estava à altura da eternidade. Que só me dava aflição. Enquanto isso, eu mastigava obedientemente, sem parar.
Até que não suportei mais, e, atrevessando o portão da escola, dei um jeito de o chicle mastigado cair no chão de areia.
- Olha só o que me aconteceu! - Disse eu em fingidos espanto e tristeza. - Agora não posso mastigar mais! A bala acabou!
- Já lhe disse - repetiu minha irmã - que ela não acaba nunca. Mas a gente às vezes perde. Até de noite a gente pode ir mastigando, mas para não engolir no sono a gente prega o chicle na cama. Não fique triste, um dia lhe dou outro, e esse você não perderá.
Eu estava envergonhada diante da bondade de minha irmã, envergonhada da mentira que pregara dizendo que o chicle caíra na boca por acaso.
Mas aliviada. Sem o peso da eternidade sobre mim.

Clarice Lispector

Cuidado para não ser atropelado

Rush – “Between the Wheels” live

domingo, 29 de dezembro de 2013

Último beijo: Um poema e uma música

E o último beijo não teria sido doce...
Não saberia dizer por que o adeus não cabe nos versos. A imensidão das palavras que eu levarei acorrentadas para que não saiam pelos meus olhos. O amor.
Enlaçados pelos dias de saudade eterna.
Sepultando um futuro com terra fervendo, queimando os sonhos, abortando os corações pela boca.
Deito em cacos de vidro esperando que alguém me veja e me socorra e me liberte e me cubra de sangue para a remissão dos meus pecados sem perdão.
Abrir mão do paraíso e voltar ao inferno por ter esquecido a senha. Dar de cara com o diabo que ri da minha e da tua fraqueza e me joga na cara todos os meus poemas ridículos. Faz escárnio, grita o teu nome e joga tuas fotos no fogo eterno.
Dê as costas, suplico!
E livra-me de todo o mal.
Amém.

Sandra Fuentes

 

J. Frank Wilson and the Cavaliers – “Last Kiss”

sábado, 28 de dezembro de 2013

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Mai Godi

Portnoy, Sheehan, MacAlpine, Sherinian – “Birds Of Prey”

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

É o que desejo do fundo do coração

Frank Sinatra – “Have Yourself a Merry Little Christmas”

Guinevere

Love me my Guinevere
In my court, please be near
While our realm is dying
And brave knights are crying
Stay close by my side
Lancelot felt no fear
Loved his king's Guinevere
All his love he gave her
Fought through quests to save her
Love, showing the way

Guinevere
Golden tresses shining in the air
Spread against the Jasper sea

Sorrow beheld her face
False love supplying grace
Knowing Arthur's fights
And his trusted knights
Meant more than his queen.

Rick Wakeman

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

sábado, 21 de dezembro de 2013

Fernando Pessoa

Acordei para a mesma vida para que tinha adormecido. [...] Até os meus sonhos se sentiram falsos ao serem sonhados.

Espanhola

Por tantas vezes
Eu andei mentindo
Só por não poder
Te ver chorando

Te amo Espanhola
Te amo Espanhola
Se for chorar
Te amo

Sempre assim
Cai o dia e é assim
Cai a noite e é assim
Essa lua sobre mim
Essa fruta sobre o meu paladar

Nunca mais
Quero ver você me olhar
Sem me entender a mim
Eu preciso lhe falar
Eu preciso tenho que lhe contar

Te amo Espanhola
Te amo Espanhola
Se for chorar
Te amo

Te amo Espanhola
Te amo Espanhola
Pra quê chorar
Te amo

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Sobre estas duras, cavernosas fragas

BOCAGE

Sobre estas duras, cavernosas fragas,
Que o marinho furor vai carcomendo,
Me estão negras paixões n’alma fervendo
Como fervem no pego as crespas vagas:

Razão feroz, o coração me indagas,
De meus erros a sombra esclarecendo,
E vás nele (ai de mim!) palpando e vendo
De agudas ânsias venenosas chagas:

Cego aos meus males, surdo ao teu reclamo,
Mil objetos de horror co’a idéia eu corro,
Solto gemidos, lágrimas derramo:

Razão, de que me serve o teu socorro?
Mandas-me não amar, eu ardo, eu amo;
Dizes-me que sossegue, eu peno, eu morro.

Bocage

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Cuide-se Bem

Cuide-se bem!
Perigos há por toda a parte
E é bem delicado viver
De uma forma ou de outra
É uma arte, como tudo...

Cuide-se bem!
Tem mil surpresas
A espreita
Em cada esquina
Mal iluminada
Em cada rua estreita
Em cada rua estreita
Do mundo...

Prá nunca perder
Esse riso largo
E essa simpatia
Estampada no rosto...

Cuide-se bem!
Eu quero te ver com saúde
E sempre de bom humor
E de boa vontade
E de boa vontade
Com tudo...

Prá nunca perder
Esse riso largo
E essa simpatia
Estampada no rosto...

Guilherme Arantes

Nos Foge o Tempo

Se mais que aéreas nuvens pressuroso,
Se mais que inquietas ondas inconstante,
Nos foge o Tempo; é inútil o saudoso
Pranto, dado a quem foge; eu incessante
Quero abarcar, e com ardor ansioso
Entranhar na alma cada alegre instante:
Pois que a vida é passagem, as lindas flores
Bom é colher na estrada dos Amores.

Filinto Elísio, in "Miscelânia"

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Nada se Pode Comparar Contigo

O ledo passarinho, que gorjeia
D'alma exprimindo a cândida ternura;
O rio transparente, que murmura,
E por entre pedrinhas serpenteia;

O Sol, que o céu diáfano passeia,
A Lua, que lhe deve a formosura,
O sorriso da Aurora, alegre e pura,
A rosa, que entre os Zéfiros ondeia;

A serena, amorosa Primavera,
O doce autor das glórias que consigo,
A Deusa das paixões e de Citera;

Quanto digo, meu bem, quanto não digo,
Tudo em tua presença degenera.
Nada se pode comparar contigo.

Bocage

sábado, 14 de dezembro de 2013

Blues com Groove

Isso é ser um guitarrista! SRV não precisa de 2000 notas por segundo para demonstrar do que a guitarra é capaz. A introdução é de muito bom gosto.

Stevie Ray Vaughan – “Couldn`t Stand the Weather” live in Texas

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Filinto Elísio

    Já vem a primavera, desfraldando
    Pelos ares as roupas perfumadas,
    E os rios vão, nas águas jaspeadas,
    Os frondífferos troncos retratando;

    Vão-se as neves dos montes debruçando
    Em tortuosas serpes argentadas;
    Pelas veigas, o gado, alcaifadas,
    A esmeraldina felpa vai tostando.

    Riem-se os céus, revestem-se as campinas;
    E a natureza as melindrosas cores
    Esmera na pintura das boninas.

    Ah! Se assim como brotam novas flores,
    Se remoça todo o orbe...das ruínas
    Dos zelos renascessem meus amores!

domingo, 8 de dezembro de 2013

The Playboy Festival

Weather Report:
Shorter, Wayne (sax)
Zawinul, Joe (keyboards)
Bailey, Victor (b)
Hakim, Omar (dr)
Rossi, Jose (perc)

Manhattan Transfer:
Hauser, Tim (voc)
Siegel, Janis (voc)
Bentyne, Cheryl (voc)
Paul, Alan (voc)

Weather Report and Manhattam Transfers – “Birdland”

sábado, 7 de dezembro de 2013

O homem que buscou paz e o fim da segregação racial na África do Sul

Nelson Rolihlahla Mandela (1918-2013)

Simple Minds – “Mandela Day” live

Coisas Pequenas

Nós dois tivemos muitos amores
Antes de cruzar um com o outro
E o bom de tudo isso é que nenhum dos dois
se arrepende de nada!
As outras vidas que nós dois vivemos
Foram treinamento e preparação
Pra esses momentos de felicidade
Que sempre estão à nossa disposição

Nós dois estamos muito felizes
como num caso de ressurreição
Já carregamos nossa cruz com sofrimento e dor
na poeira da estrada
Mas essas cruzes que nós carregamos
hoje já cumpriram a sua missão
E nós estamos descansados e leves
de corpo e de coração!

Obrigado pelas coisas pequenas
que ainda bem você não esqueceu!
Obrigado pelos dias de chuva
em que você não deixou chover
E obrigado por estar no mundo
E obrigado por cuidar do que é meu!

Muito obrigado e não esqueça nunca
Que eu continuo sendo sempre seu
Muito obrigado e não esqueça nunca
Que eu continuo sendo sempre seu!

Zé Rodrix

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Isso é de uma suavidade e beleza ímpar!

“And now the sun has broken through, it looks like it will stay
Just can't have you comin' home on such a rainy day”

Frank Sinatra – “The Train”

domingo, 1 de dezembro de 2013

Andarilho de Luz

Uma estrela caiu
E nos desejou
Um amor maior que os andes
Das geleiras azuis

A montanha acordou
E emaranhou
Viajante solitário
Avião e vapor

Lua lua luou
E gravou no céu
O seu disco flutuante
Minha vista nevou

Andarilho de luz
Veio me trazer
Un sendero luminoso
Gavião e condor

Nas trincheiras do sol
Todos os irmãos
Mesma trilha guerrilheira
Violão e cantor

Quem pintou amanhã
Paz de bom pastor
Sentimento quebra gelo
Coração e calor

Flávio Venturini

É uma questão de escolha…

Mafalda

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Te pego pela cintura, …

… seus olhos estão fixos nos meus. Beijo sua boca lentamente e, ao mesmo tempo, essa música começa a tocar. Simples assim… e é só o começo!

Average White Band – “Reach Out”

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Luis de Góngora

Ora que a competir com teu cabelo

Ora que a competir com teu cabelo 
ouro brunhido ao sol reluz em vão, 
e com desprezo, no relvoso chão,
vê tua branca fronte o lírio belo; 

ora que ao lábio teu, para colhê-lo,
se olha mais do que ao cravo temporão, 
e ora que triunfa com desdém loução 
teu colo de cristal, que luz com zelo;

colo, cabelo, fronte, lábio ardente
goza, enquanto o que foi na hora dourada
ouro, lírio, cristal, cravo luzente 

não só em prata ou víola cortada 
se torna, mas tu e isso juntamente 
em terra, em fumo, em pó, em sombra, em nada. 

Factibilidade

Quem não pode o que quer, queira o que pode!

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Minha Casa

É mais fácil
Cultuar os mortos
Que os vivos
Mais fácil viver
De sombras que de sóis
É mais fácil
Mimeografar o passado
Que imprimir o futuro...

Não quero ser triste
Como o poeta que envelhece
Lendo Maiakóvski
Na loja de conveniência
Não quero ser alegre
Como o cão que sai a passear
Com o seu dono alegre
Sob o sol de domingo...

Nem quero ser estanque
Como quem constrói estradas
E não anda
Quero no escuro
Como um cego tatear
Estrelas distraídas
Quero no escuro
Como um cego tatear
Estrelas distraídas...

Amoras silvestres
No passeio público
Amores secretos
Debaixo dos guarda-chuvas
Tempestades que não param
Pára-raios quem não tem
Mesmo que não venha o trem
Não posso parar
Tempestades que não param
Pára-raios quem não tem
Mesmo que não venha o trem
Não posso parar...

Veja o mundo passar
Como passa
Uma escola de samba
Que atravessa
Pergunto onde estão
Teus tamborins?
Pergunto onde estão
Teus tamborins?
Sentado na porta
De minha casa
A mesma e única casa
A casa onde eu sempre morei
A casa onde eu sempre morei
A casa onde eu sempre morei...

Zeca Baleiro

domingo, 24 de novembro de 2013

Viva o Rei!

Até hoje esses caras quebram tudoooooo!

PS: O instrumento que Tony Levin toca chama-se “The Chapman Stick”.

King Crimson – “Frame by Frame” live